Friday, December 01, 2006

experiências::::::::::::::::::::::::

Meninos e meninas saem a noite bebem cerveja até certa hora depois bebem mais cerveja pra ficar legal As famílias ficam em casa dormindo o sono dos justos ou com suas diversões de adultos Na noite os meninos olham as meninas as meninas se fazem de desentendidas e ficam ainda mais bonitas e os meninos e meninas continuam bebendo cerveja no bar de gosto duvidoso e preço escandaloso os meninos e meninas falam escandalosamente A cidade anoitece com seus guardas e alguns meninos e meninas resolvem se divertir em outra parte nessa cidade meninos e meninas tem carros e dependem deles[ponto]

Cigarros cervejas e a planta dos céus potencializada com a ciência dos homens meninos e meninas se libertam de leis convenções e saem de seus corpos com suas mentes jovens pensando em loucuras andando meio bambos flertando por nada conhecendo novos lugares vendo o céu vendo bandeiras vendo o governo vendo tochas vendo toda a arena podre da política nacional Meninos e meninas voam a noite como corujas morcegos com radares confusos guiados apenas por desejos e vontade Livres e loucos falando besteira jogando bola tentando beijos subindo descendo[ponto]

Até que o sol assusta todas as almas livres da noite pistas livres carros velozes corações mortos e mentes atentas a planta do céu perde seu efeito a noite começa a fugir as meninas já fugiram essa noite quase não senti saudade das coisas perto do mar essa noite quase me senti em casa Essa noite me senti em família no meio de pessoas estranhas Mas ainda sinto falta das coisas que te cheiro de mar cheiro de malandragem cheiro de samba[ponto]

Meninos e meninas começam a ir pra casa a eterna volta a gaiola retornam com o sonho de uma futura liberdade prometida saciados por aquele pequeno lapso de liberdade aquela falsa sensação de se jogar do alto e não parar de cair[ponto]

__________________________________
Pela primeira vez quase não senti falta do cheiro das coisas do mar. Uma saída para a cerveja e minha noite se torna algo novo, aquele novo com gosto de antigo, foi como voltar cinco anos da minha vida e ter 18 anos. Exatamente. Me divertir com o que já me divertiu, ouvir sonhos que já tive, lembrar de planos que já fiz, e o principal, esvaziar a mente com ajuda das mesmas substâncias de uma época.

Bagulhos novos, carros e vento. Gosto de vento. Lugares abertos e bandeiras que representam algo. Céu azul escuro, o céu mais bonito, não, sim, trago, fujo, me perco. Pomba! Béqui! Mini-Disco. Coisas novas, água, filtro, gente nova, jardim, celular, rodoviária, Núcleo, Norte, Sul, Governo.

Quero de novo, quero outra vez, trago! As vezes quando escrevo me dá tesão, quase sempre brocho(broxo?)

2 comments:

Lívia said...

É, não há como dizer ao contrário: rapaz (folgado)do mundo!!!
beijos

Klaus Maia said...

É rapaz, a vida tá um caos aí. Mas como só no caos o homem é capaz de parir uma estrela bailarina... nosso amigo Friedrich N. tava certo...

Belo texto esse.