Sunday, December 16, 2007

As folhas do sagrado me encontram e comigo se tornam um. Pouco a pouco deixo de somente admirar, sou. Conheço. Meus pontos voltam recuperando o lugar deixado as lentas vírgulas. No peito novamente o ódio que me dá movimento. Tudo o que não presta eu simplesmente tiro e fumo. Deixo somente a pureza que não deve ser tocada. Meu pulmão se enche de ar e o coração volta a bater. Então façamos assim, vamos por partes. Primeiro o teto, depois as colunas, e então o piso. Destruiremos tudo, e depois re-contruiremos. Falaremos novas línguas. Nos expressaremos com novos gestos. Comeremos novos temperos. Renderemos graças a novos deuses. Sim. Um futuro espera. Mas antes dele a destruição. As doenças. Dor!
Precisamos ceifar o joio. Moldar os pés, pernas, sexo, cintura... encontrar o material perfeito, a medida adequada. A palavra é reprodução, meu chavão é dar a luz, mas e agora? Minhas lágrimas cortam o meu rosto e minhas palavras tem a maturidade de uma criança. Minhas vontades se disfarçam de acaso, e minha responsabilidade se torna divina. Me faço vítima de minhas decisões. Me descubro e reconheço as fraquezas que disfarçava de destino.
Preciso de tempestades familiares as da minha cidade. Preciso do calor de um útero. Calor que já tive, mas não me lembro. Não acompanho ficções, invento realidades. Onde está a mão que balançava o berço, a voz que ninava, a mão que acariciava, o peito que alimentava. O cordão que nunca foi tocado e sim esticado causando dor e sofrimento. Arrebenta! Arrebenta! Arrebentes!
Descrevo o reflexo turvo que vejo na poça de lágrimas barrentas. Novamente ouço as vozes que me atormentam. Sinto o medo que não reconheço. Deixo surgir o pranto que não é meu. Completo o meu desejo criado pelas minhas satisfações. Quando não me entendem não será pela escolhas de palavras esquecidas, mas por pensamentos ainda não pensados. Pois o poeta não morreu. Nem o pastor, nem o profeta, e muito menos Deus!

3 comments:

Klaus said...

e eu que queria ser escritor...

precisamos nos ver!

reles soturno said...

adorei! Denso e claro do jeito que só você sabe fazer.

Ingrid said...

Nossa... Muito bom!
Tenho dois amigos escritores... Vejam só!
Bem, já está adicionado aos meus favoritos. e vou falar o mesmo que eu disse para o Klaus: Nem sempre eu comento, mas sempre leio! Pelo menos uma leitora assídua vc vai ter! :o)